Esquadrias de alumínio contribuem para projetos sustentáveis

Esquadrias de alumínio contribuem para projetos sustentáveis

Esquadrias servem para fechamento dos vãos de luz (iluminação) e ventilação

Alberto Nascimento

As esquadrias de alumínio passam por um processo contínuo de aperfeiçoamento. Como resultado, contribuem cada vez mais para a sustentabilidade na arquitetura e construção civil. E isso se dá de diversas formas. Em primeiro lugar, o alumínio é reciclável. Isso significa que, depois de  décadas de vida útil na forma de janelas, portas ou fachadas, o material  poderá ser reciclado inteiramente, sem perder suas características originais. “Vários organismos importantes afirmam que 75% do volume de alumínio produzido desde a criação do processo industrial para redução do metal,  em 1886, ainda estão em uso, graças à reciclagem. O alumínio, através do processo de extrusão, possibilita que sejam criadas janelas, portas e fachadas muito mais eficientes sob o ponto de  vista energético e de conforto ambiental. Janelas, portas e fachadas que utilizam a luz natural para iluminar os ambientes, que diminuem as  perdas dos sistemas de ar condicionado, que reduzem o nível de ruído  interno, que não permitem a entrada de poeira e insetos”, explica Adilson Molero, engenheiro de aplicação de produtos da Hydro Alumínio.

Valdir Araújo, da Asa Alumínio, explica que, via de regra, as esquadrias servem para fechamento dos vãos de luz (iluminação) e ventilação, que podem ser permanentes ou restritos. “É, portanto, por onde podemos otimizar o aproveitamento da luz natural utilizando-se envidraçamentos tipo fachada cortina em redor de todo o perímetro arquitetônico da construção. Sendo um pouco mais hábil, utilizando a alternativa mais adequada dentre os diferentes tipos de vidros (refletivo, laminado, de baixa emissão low, etc.), as fachadas podem ter resultados de controle da entrada da luz para não aquecer o ambiente interno”, afirma. “As torres de edífícios comerciais estão cada vez mais próximos às avenidas de grande circulação, para facilitar o acesso. Os sistemas unitizados são uma solução para vedação acústica de alta performance destes empreendimentos”, acrescenta.

No caso das portas e janelas, as esquadrias são o ponto crucial da troca de calor. “A nova geração de sistemas mais sofisticados de caixilhos comportam vidros duplos termicos e acústicos e com a possibilidade de combinar persianas entre os vidros, tornando absolutamente eficaz o controle de luminosidade, da vedação acústica e da ponte térmica”, diz Araújo.

Sobre a questão da sustentabilidade, Araújo cita os frames para células fotovoltaicas. “Este será o futuro das esquadrias sustentáveis”, diz.

A respeito das vantagens do alumínio, Adilson Molero destaca sua leveza, o que diminuiria os custos de manuseio, transporte e fabricação das

Alumínio apresenta natural resistência à corrosão(crédito: Divulgação Hydro Alumínio)
esquadrias. “O alumínio é muito resistente à corrosão, o que diminui custos de conservação e manutenção das esquadrias. Alem disso, os processos de anodização e pintura eletrostática, amplamente disponíveis no Brasil, melhoram a aparência do metal a longo prazo”, avalia.

Alumínio apresenta natural resistência à corrosão
(crédito: Divulgação Hydro Alumínio)

Molero conta que as esquadrias de alumínio, graças às possibilidades do processo de extrusão, são estanques ao ar e à água, o que proporcionaria conforto e segurança ao consumidor final. “O alumínio apresenta excelente comportamento estrutural. Esquadrias de alumínio bem projetadas e executadas resistem muito bem às pressões de vento e aos esforços decorrentes da utilização”, conclui.

Inovações recentes

Cada vez mais inovações técnicas têm sido incorporadas para que sejam  fabricadas esquadrias mais robustas e mais aptas a garantir conforto térmico e acústico e estanqueidade à água e ao ar. Milhares de técnicos, projetistas, engenheiros e arquitetos trabalham em todo o mundo para a criação de produtos mais eficientes e mais competitivos. Também há muitos profissionais trabalhando para melhorar os acessórios (roldanas, fechos, borrachas de vedação, etc.), os processos de fabricação e instalação das esquadrias.

“Entre as inovações recentes mais importantes podemos mencionar a utilização dos vidros duplos e triplos, as esquadrias oscilo-batentes, as esquadrias de correr com mudança de plano, as fachadas cortinas unitizadas, as fachadas duplas, os programas de computador que auxiliam o projetista a otimizar o produto, e os equipamentos para produção de esquadrias com controle numérico”, diz Adilson Molero.

Valdir Araújo cita o sistema com canais de Câmara Européia, recém-chegado ao Brasil, como grande atração  do momento, pela robustez e pelo aspecto visual, que evidencia a tecnologia marcada pela estética agressiva dos dispositivos. “O padrão de Câmara Européia mais usado no Brasil para esquadrias de alumínio é o sistema que utiliza canais de 14-18 por 15-20,  também os mais usados no mundo. Além do diferencial estético e da elegância característica destes acessórios, a funcionalidade é um outro atrativo interessante. Como os canais são padronizados, todos os acessórios praticamente encaixam-se em todos perfis, o que torna todo o conceito uma verdadeira revolução no modo de conceber os perfis”, afirma Araújo. “Notadamente, as esquadrias com sistema de Câmara Européia estão um passo à frente no quesito requinte, resistência estrutural, estanqueidade e inúmeras possibilidades de receber vidros térmicos e acústicos”, acrescenta.

Especificação e padronização

Muito embora sejam poucas as obras que gozam de um projeto construtivo dedicado às esquadrias, os empreendimentos de maior representatividade técnica costumam contratar os serviços dos “Consultores ou Técnicos de Esquadrias” para esta missão. Araújo explica que, se a obra já estiver erguida ou em franca construção, o especificador de esquadrias, além de conferir o projeto, terá que fazer a medição dos vãos na obra.  Se a obra ainda não começou, valerá a teoria. “O especificador tomará a planta baixa, as plantas dos compartimentos, multiplicará pela quantidade de pavimentos e, por consequência, terá condições de presumir quantidade de esquadrias”, diz. “Precisa levar em consideração a arquitetura predominante na região, tipos de ruído próximos (aeroportos, grandes avenidas, etc), ventos incidentes, lado que receberá maior luminosidade natural. Por exemplo, se for um hospital ou uma escola, alguns tipos de janelas sofrerão restrição de vão de abertura e assim por diante”, observa Araújo.

Os tipos de esquadrias disponíveis são padronizados, mas as dimensões ainda não. Molero afirma que a indústria de esquadrias padronizadas no país é forte, mas ainda haveria muitos edifícios que exigem esquadrias fabricadas sob medida. “De maneira geral, as esquadrias padronizadas são comercializadas nas lojas de materiais de construção, enquanto que as esquadrias especiais, ou feitas sob medida, são fornecidas por fabricantes de esquadrias diretamente para as construtoras”, diz.

Dicas

O engenheiro de aplicação de produtos da Hydro Alumínio destaca alguns aspectos que devem ser observados pelo consumidor, para que ele tenha certeza de estar diante de um produto de qualidade. Segundo ele, deve-se ficar atento ao aspecto geral das esquadrias, rejeitando manchas, amassamentos, riscos, acessórios frágeis, ausência de escovas e/ou borrachas para vedação. Deve-se também abrir e fechar as portas e janelas várias vezes para observar o nível de ruído e a maior ou menor dificuldade para a operação. “A rigidez dos componentes pode ser verificada com um pequeno esforço feito com as mãos. Em nenhuma hipótese, o componente que recebe o esforço pode sofrer qualquer tipo de deformação, mesmo que retorne à posição original depois de cessado o esforço”, diz. O consumidor deve ainda tentar perceber se há problemas de entrada de água, observando manchas de umidade no piso ou nas paredes.

Outro aspecto importante são as folgas entre perfis. “Em nenhuma hipótese devem ser admitidas folgas que permitam ver o lado externo da esquadria. Por essas folgas haverá entrada de água, ar, poeira, poluição, insetos. E na primeira chuva forte, observe o comportamento da esquadria. Nenhuma gota de água poderá aparecer no lado interno”, explica.

Valdir Araújo, Asa Alumínio, cita os seguintes cuidados:

a. Verificar a procedência. Se o fabricante das esquadrias e seus respectivos fornecedores têm um compromisso e respeitam os conceitos de sustentabilidade na sua atividade.

b. Verificar se as folhas e partes móveis da porta ou janela estão com a vedação em borracha ou escova fixadas ao longo de todo o perímetro das peças e adequadamente encaixadas ou vestidas nas gaxetas.

c.  Provocar esforço de pressão na esquadria fechada, de dentro para fora. O resultado deste esforço não deve resultar em  qualquer abertura ou tipo de vão ou fresta na esquadria.

d.  Avaliar se os canais de vedação, as gaxetas, das esquadrias estão com vedação adquada. Isto pode ser feito utilizando-se uma folha de papel entre as partes movéis e fixas. O teste é fechar travar a esquadria, e depois puxar o papel. Se ele não sair, a vedação é boa.

e.  Checar a segurança operacional da esquadria, especificamente com verificação no funcionamento dos acessórios, quanto a qualidade e a adequada aplicação.

f.  Observar se o encontro dos perfis estão perfeitos. As peças montadas em 45 graus (meia esquadria) precisam ter corte impecável e sem rebarbas. Não deve haver nenhum tipo de fresta ou falha no encontro dos perfis.

g.       Verificar as guarnições de vedação do vidro. As principais ocorrências de descuido acontecem nos cantos, onde as guarnições (EPDM) têm que fazer uma curva de emolduramento de 90 graus. Não deve haver espaço sem guarnição.

h. Inspecionar o tratamento. As esquadrias de alumínio podem ter acabamento em pintura ou anodização. O importante é que seja homogêneo, sem riscos ou amassamentos.

Vantagens do alumínio

a. O aspecto natural do alumínio é agradável à maioria das pessoas, que vêem nesse metal um material limpo, atraente e moderno, compatível com a arquitetura de nossos dias;

b. Ampla liberdade de criação aos arquitetos e especificadores.

c. É extremamente leve, o que facilita a fabricação, a instalação e a operação das esquadrias, alem de diminuir a sobrecarga nas estruturas principais dos edifícios;

d. Apresenta uma natural resistência à corrosão, o que garante longa vida útil para as esquadrias sem grandes preocupações com conservação e manutenção;

e. Inúmeras combinações de tipologias e possibilidade de combinar com outras estruturas, com madeira, aço e PVC por exemplo.

f. Pode receber tratamentos de superfície, como anodização e pintura eletrostática, que lhe podem conferir muitas cores, reforçam ainda mais a resistência à corrosão e propiciam aparência mais uniforme e agradável.

g. A versatilidade do alumínio propicia o desenvolvimento de detalhes  mais arrojados, que seriam impossíveis com outros materiais, tornando mais eficiente a vedação, melhor comportamento estrutural e incorpora aspectos estéticos interessantes;

h. Valor residual e, no caso das esquadrias, a possibilidade de recall ou simplesmente a substituição por uma outra tipologia ou outra cor. As janelas e portas de alumínio podem ser substituída sem precisar retocar a alvenaria.

É infinitamente reciclável.

Fonte: Valdir Araújo – Asa Alumínio

As mais importantes normas sobre o assunto
Rodrigo Santos, engenheiro de desenvolvimento de produtos da Hydro, afirma que a mais importante norma para caixilhos é a NBR 10821 – Caixilho para edificação – Janelas. Ele cita outras que seriam importantes para que se faça cumprir o que é especificado na NBR 10821:

  • NBR 6123 – Forças devida ao vento em edificações – Procedimento;
  • NBR 6485 – Caixilho para edificação – Janela, fachada-cortina e porta
    externa – Verificação da penetração de ar;
  • NBR 6486 – Caixilho para edificação – Janela, fachada-cortina e porta
    externa – Verificação da penetração à água;
  • NBR 6487 – Caixilho para edificação – Janela, fachada-cortina e porta
    externa  –  Verificação do comportamento, quando submetido a cargas
    uniformemente distribuídas;
  • NBR 7199 – Projeto, execução e aplicações de vidros na construção civil –
    Procedimento
  • NBR 10820 – Caixilho para edificação – Janela – Terminologia
  • NBR 10829 – Caixilho para edificação – Janela – Medição da atenuação
    acústica – Método de ensaio
  • NBR  10830  – Caixilho para edificação – Acústica dos edifícios –
    Terminologia
  • NBR 10831 – Projeto e utilizaçào de caixilhos para edificações de uso
    residencial e comercial – Janelas – Procedimento
  • NBR 12609 – Tratamento de superfície do alumínio e suas ligas – Anodização
    para fins arquitetônicos.

Alberto Nascimento – editor do Portal EA e da Revista Sistemas Prediais